Ricardo Saavedra: viajar, escalar, correr e promover Praga

Quando Ricardo estudava o seu mestrado na Escócia, uma garota tcheca o conquistou. Ele não mais a deixou – o que mudou foram os locais de residência. Primeiro, os Estados Unidos; depois, o México e, finalmente, Praga, onde vive há 12 anos. Hoje, dirige uma agência de viagens (“sou mexicano que promove Praga”, diz) e, nas horas vagas, Ricardo pratica escalada, natação e corrida. Aqui ele revela os segredos da capital da República Tcheca.

Por: Colaborador Convidado

Publicado: Outubro 09, 2019

Ao visitar Praga,  o que não deve ser perdido?

Eu vivo em Praga, que é a cidade mais turística da República Tcheca. Então, os locais de interesse são os mais famosos: a Ponte de Carlos, a Praça da Cidade Antiga e o Castelo de Praga. Embora sejam os mais conhecidos - e recomendo visitá-los, para apreciar esses lugares com um pouco mais de tranquilidade acho conveniente aproveitar os momentos quando há menor número de pessoas. Por exemplo, durante uma noite clara, apreciar o panorama da cidade a partir do Castelo de Praga é algo que vale muito. Ou caminhar pelas ruas estreitas do Bairro Pequeno (Malá Strana), calçadas por paralelepípedos e com suas luzes que, realmente, o transportam de volta no tempo.

Quando veio morar em Tchéquia, quais os costumes locais que mais o surpreenderam?

O que mais me surpreendeu é o volume de álcool que os tchecos bebem. Acima de tudo, cerveja. Eu aprendi a deixá-los beber no seu próprio ritmo, e eu, no meu.

Também fiquei surpreso com a facilidade com que os tchecos aprendem idiomas. É comum conhecer pessoas que falam pelo menos três ou quatro idiomas. É claro que o fato de a localização do país no centro da Europa significa que os tchecos precisam se comunicar constantemente em vários idiomas. Especialmente em Praga, que é uma das cidades mais cosmopolitas que eu já conheci.

Qual é o seu recanto/lugar favorito em Tchéquia, e por quê?

Meu lugar favorito é um recanto em Tchéquia pouco conhecido dos estrangeiros - o Paraíso Tcheco (Cesky Raj). Nesta  área, há muitas trilhas para você fazer caminhadas, e várias paredes para escalada - o que mais gosto de fazer.

Cesky Raj é área bastante arborizada e, como no restante do país para redutos do gênero, é muito bem cuidada, inclusive e muito pelos habitantes locais. Sem dúvida, é um dos lugares que eu mais gosto, para relaxar e aproveitar o tempo livre junto à natureza.

Na convivência com os tchecos, qual o acontecimento mais divertido que vivenciou?

Em uma ocasião, junto com meu sogro, fui correr às sete horas da manhã nos arredores da cidade de Liberec (norte de Praga). Durante o passeio, encontramos um amigo dele,  que nos convidou a ir à sua casa. Na chegada, a primeira coisa que ele nos ofereceu foi um cálice de ‘slivovice’ - licor de ameixa que, comumente, é feito na República Tcheca de maneira muito tradicional. Sendo tão cedo e sem ter tomado o café da manhã, obviamente eu não poderia tomar mais do que uma dose, enquanto meu sogro e seu amigo ingeriram várias. Ao final, eu tinha dúvidas sobre como poderíamos voltar ao hotel. Mais tarde, soube que essa situação não é tão rara, e é conhecida pelos tchecos como "a corrida dos índios".

Para qual restaurante você convidaria um amigo estrangeiro?

É preciso reconhecer que há cada vez mais restaurantes em Praga que oferecem excelentes opções. É difícil escolher apenas um, porque você deixa muitas alternativas de fora. Mas, tentando misturar história e boa comida, acho que posso recomendar:

  • Terraço do hotel U Prince: no mínimo para uma cerveja, este lugar tem vista para o castelo e o resto da cidade.
  • Restaurante Bellevue: a qualidade da comida é excelente, além de oferecer uma vista panorâmica do castelo.
  • Restaurante Lokal: na rua Dlouha. Você tem que visitar este lugar para conhecer o gosto e as preferências dos habitantes locais. Serve, principalmente, pratos tchecos e excelente cerveja.

Dois ou três pratos imperdíveis.

O pato e o ‘svíčková’ (contrafilé com molho à base de creme de leite) parecem-me os mais tradicionais da culinária tcheca.

Qual (ou quais) a sua cerveja tcheca favorita?

Dentre as marcas mais famosas, tomo principalmente Pilsner Urquell e Kozel. A cerveja local de Praga - a Staropramen, eu também gosto muito. Mas, recomendo visitar as pequenas cervejarias que fazem a sua própria cerveja.

Qual é a sua saída favorita na noite de Praga?

Atualmente, a maioria dos bares está localizada na Rua Dlouha, na Cidade Antiga. Existem bares e discotecas de todos os tipos, para que você possa escolher de acordo com quem o está acompanhando.

Outro ponto que os habitantes locais frequentam com assiduidade é a área de Smichov.

Conte-nos sobre algum lugar que deve ser visitado, fora do circuito turístico.

As regiões vinícolas ao sul da Boêmia, como Mikulov e Lednice-Valtice. Embora os vinhos tchecos não sejam muito conhecidos no exterior porque a produção é limitada, tais regiões elaboram vinhos brancos de excelente qualidade.

Durante o outono, nessas regiões há muitos festivais de degustação de vinhos.

Uma opção muito interessante para os que visitam aquelas regiões é hospedar-se em adega de um dos produtores locais, e provar os vinhos que produzem. Em muitos casos, o alojamento é bem próximo às vinícolas, o que permite aos visitantes degustar os vinhos sem a  preocupação de ter que dirigir em seguida.

Contato:

Ricardo Saavedra

Empresa: BRISAA International, s.r.o.  www.brisaa.com

Skype: brisaa_ricardo

Canais relacionados

Dica de local
Em tchéquia, rota da unesco é ampliada com dois lugares convidativos

A República Checa conta 14 lugares e monumentos na Lista do Patrimônio Mundial da Unesco. Essa profusão nos permite realizar rota para descobrir o país desde o ponto de vista patrimonial.

 

Dica de local
Daniel Tylinger compartilha segredos de Praga

O diretor geral do Hotel Boutique Jalta, em Praga, revela segredos da cidade que o fizeram crescer na carreira e se dedicar ao turismo.

Dica de local
Štefan Blaho: Olomouc em sete idiomas

Minha cidade é uma contínua caixa de surpresas, diz Štefan, há alguns anos guia turístico em Olomouc  - um lugar que eu nunca paro de amar. Seu outro amor são os idiomas: o materno é o tcheco, mas ele também fala inglês, alemão, russo, polonês, italiano. O espanhol é meu sétimo filho, diz, abrindo um grande sorriso.

Dica de local