Cinco motivos para amar České Budějovice

A capital da Boêmia do Sul é frequentemente esquecida nos assuntos de turismo, talvez porque ela tenha importância em muitas outras áreas. Mas nenhum viajante passando pela região deveria passá-la. E aqui damos cinco motivos.

Por: Luiz Fernando Destro

Publicado: Abril 26, 2023

České Budějovice. Pronuncia-se tchésque budieiovitze. Pode ser difícil de falar, mas é fácil de gostar. É a maior cidade do sul da Boêmia, capital da região e uma cidade muito industrializada, que nasceu e cresceu como parada comercial entre Praga e Linz, na Áustria. Para além dos negócios, a cidade também guarda alguns encantos para os turistas.

A praça principal

Oficialmente chamada de praça Přemysl Otakar II, faz referência ao antigo monarca premislita (e possível inspiração para um álbum de Tintim). Ela se gaba de ter exatamente um hectare, ou seja, exatamente 100m x 100m. Mas o que mais importa é o que está no meio e ao redor da praça. No meio está a Fonte de Sansão, uma fonte barroca que é símbolo da cidade. E, ao redor, arcadas e edifícios barrocos, como prédio da Prefeitura. E, um pouco mais ao fundo, a Torre Negra, uma torre gótica que fazia parte dos muros medievais.



A praça é parada obrigatória para todos os visitantes, não só pela beleza mas também porque quase tudo se encontra lá. E, nas épocas de festas, é na praça que se instalam os mercadinhos. No Natal, uma pista de patinação no gelo também é montada ali.

A fábrica da verdadeira Budweiser

Uma das principais industriais da cidade é a fábrica de cerveja Budějovický Budvar, que há quase dois séculos fabrica a cerveja homônima. É possível fazer um tour pela fábrica, vendo a história, o desenvolvimento e os processos de produção dessa que é uma das marcas mais queridas do país.

A cerveja da cidade está envolta em uma briga de marcas de proporções internacionais. Como na época do império austríaco a língua oficial era o alemão, a cidade chamava-se Budweis, e a cerveja feita na cidade era... a Budweiser. Ou seja, a verdadeira Budweiser só pode ser encontrada em České Budějovice, e não tem nenhuma relação com a Budweiser fabricada pela Inbev.

O restaurante que foi açougue

A apenas um quarteirão da praça Otakar II está aquele que é, provavelmente, o restaurante mais famoso da cidade. O Masné Krámy (literalmente mercado da carne) está instalado em um edifício do século XVII onde trabalhavam os açougueiros da cidade.  As saliências nas paredes serviam como lojas, e a nave central se prestava a circulação.

Com o passar do tempo, o mercado de carne foi movido para fora da cidade e o prédio foi se deteriorando até ser quase demolido. Mas em 1954, foi restaurado e transformado em restaurante que serve pratos tchecos e a deliciosa cerveja Budvar tirada da torneira.

A fábrica de lápis de cor

A região da Boêmia do Sul é pródiga em florestas. Por isso, desenvolveu uma indústria de madeira muito consistente, desde os tempos do império. Mas nem só de toras e ripas vive České Budějovice. Lápis também são feitos de madeira, e lá nasceram os lápis de cor da marca Koh-I-Noor.

No Brasil, quase ninguém conhece a marca. Mas não importa. É adorável entrar em uma sala cheia de lápis coloridos, e brincar de colorir. A fábrica original pode ser visitada, e garante uma volta à infância por pouco mais de uma hora.

O palácio de Hluboka

Ainda dentro da área urbana de České Budějovice está o palácio de Hluboka. Construído em estilo Tudor tardio, algo raro na região, o palácio permite a visita dos jardins e dos interiores, que são ricamente mobiliados e decorados. Além disso, Hluboka tem a vantagem de estar aberto o ano todo, inclusive no inverno, quando vários palácios e castelos fecham.



Você pode ir de České Budějovice a Hluboka de carro, ou com o transporte público, e até mesmo de bicicleta, por uma ciclovia. Mas certamente o jeito mais curioso é navegando. Um sistema de canais corta a cidade, e se estende até o palácio. Apenas mais uma atração de um lugar que tem muitas.

Proti Proud: para os que vão contra a corrente

Em Praga 8, o bairro de Karlín propõe a maior parte das novidades que surgem na milenária capital tcheca. Lá, onde são múltiplas as ofertas de bares alternativos,cafés com toques contemporâneos e design diferenciado,atrai atenção o bistrô Proti Proudu. O nome é traduzido por contra a maré, e a liderança é do casal de jornalistas Karolina e David Konečný.

Dica de local Café literário
Por que a República é Tcheca (e não Checa)

Acontece frequentemente. O sujeito escreve um texto e coloca em letras garrafais República Checa. Até em grandes veículos de comunicação. Sinto dizer, estão errados. A República é Tcheca, com T maiúsculo.

Dica de local
Daniel Sosa: com o olhar fixo nas cem torres de Praga

O diretor comercial do Intercontinental Hotel em Praga, originário da Espanha, vive na República Tcheca desde 2009. "Eu vim para trabalhar e conheci minha esposa, com quem já tenho dois filhos, de dois e de cinco anos", resume. Os pequenos se encarregam de ocupar a maior parte do tempo livre dele. No entanto, Daniel também gosta de correr, jogar golfe e relaxar junto à  natureza.

Dica de local
Pacotes