Arcadas, colunatas e galerias

As três são soluções arquitetônicas para facilitar a vida de pedestres. E a República Tcheca tem todas, em diferentes cidades.

Por: Colaborador Convidado

Publicado: Setembro 28, 2020

Se você gosta de fazer turismo arquitetônico – aquele em que se visita as soluções de arquitetura de um país estrangeiro – já deve ter topado com três estruturas curiosas: as arcadas, as colunatas e as galerias. São três soluções para problemas diferentes e, quando o arquiteto é bom, cumpre seu papel de ser funcional junto com beleza estética. Veja alguns exemplos de cada, disponíveis para sua próxima visita à República Tcheca.

Arcadas – são estruturas que se projetam de uma fachada sobre a calçada. Sua função prática é fornecer abrigo – seja do sol, nos dias quentes de verão, seja da chuva, que sempre pode aparecer. Sob uma arcada, o pedestre pode caminhar tranquilamente sem ser incomodado pelo clima e, assim, prestar atenção nas vitrines das lojas. Sim, porque invariavelmente as arcadas são feitas em ruas comerciais. Na República Tcheca, há um ótimo exemplo de arcada na pitoresca e diminuta cidade de Telč, na região de  Vysočina. Toda a praça central possui arcadas. E, sobre as arcadas, fachadas renascentistas preservadas, que valeram à cidade a condição de Patrimônio da Humanidade da UNESCO.

Colunatas – assim como as arcadas, uma colunata tem a função de abrigar e proteger o pedestre. Porém, as colunatas não são projeções das fachadas, mas estruturas independentes, construídas sobre fontes de água termal ou mineral. A colunata protege não só os pedestres, mas também a fonte termal. As águas termais são usadas para tratamentos de saúde, e quase sempre o paciente deve beber a água e caminhar. As colunatas permitem a caminhada e o acesso às águas, mesmo em um dia de chuva ou neve. Na República Tcheca, as colunatas mais famosas são as de Karlovy Vary, onde há quatro colunatas, feitas em materiais diferentes; e a colunata de Mariánské Lázně, chamada colunata de Máxim Gorkij, toda feita em aço e ferro fundido, e que fica em frente a uma fonte musical, na principal praça da cidade.

Galerias – já as galerias são passagens cobertas que ligam uma rua a outra, através de um prédio ou de um conjunto de prédios. São uma opção às calçadas, e são muito úteis em dias de clima extremo – frio, chuva, neve rajadas de vento. Atravessar uma galeria significa andar um quarteirão inteiro de forma quentinha e confortável. E sem precisar abrir mão das lojinhas! Na verdade, dentro de uma galeria sempre há lojas, restaurantes, teatros, cinemas e outros estabelecimentos comerciais. Na República Tcheca, as galerias mais famosas estão em Praga. Uma das mais bacanas é a Galeria Lucerna (Vodičkova 36), que é o exemplo perfeito da união de funcionalidade e beleza. Dentro da galeria há uma icônica estátua do artista tcheco David Černý, com São Venceslau montado em um cavalo morto, e de cabeça para baixo.

Em frente a estátua, uma luxuosa escadaria dá acesso ao Kino Lucerna (Cine Lucerna), um cinemão que é um espetáculo por si só: uma sala ricamente decorada, como não se faz mais hoje em dia.

Uma dica importante: muitas vezes, não se percebe a entrada para as galerias, e se passa batido. Fique atento: se vir alguém com cara de tcheco entrando em uma porta despretensiosa, siga-o. Grandes surpresas te aguardam!

Canais relacionados

Dica de local
Em tchéquia, rota da unesco é ampliada com dois lugares convidativos

A República Checa conta 14 lugares e monumentos na Lista do Patrimônio Mundial da Unesco. Essa profusão nos permite realizar rota para descobrir o país desde o ponto de vista patrimonial.

 

Dica de local
Por que a República é Tcheca (e não Checa)

Acontece frequentemente. O sujeito escreve um texto e coloca em letras garrafais República Checa. Até em grandes veículos de comunicação. Sinto dizer, estão errados. A República é Tcheca, com T maiúsculo.

Dica de local
Daniel Sosa: com o olhar fixo nas cem torres de Praga

O diretor comercial do Intercontinental Hotel em Praga, originário da Espanha, vive na República Tcheca desde 2009. "Eu vim para trabalhar e conheci minha esposa, com quem já tenho dois filhos, de dois e de cinco anos", resume. Os pequenos se encarregam de ocupar a maior parte do tempo livre dele. No entanto, Daniel também gosta de correr, jogar golfe e relaxar junto à  natureza.

Dica de local