Alma tcheca, inspiração única para várias obras e Autores

Além do fascínio que exerce sobre quem a visita, Praga é fonte de inspiração para artistas e escritores, não é de hoje e é compreensível. A capital tcheca e o país  acrescentam às suas belezas acontecimentos históricos que instigam a imaginação.

Por: Colaborador Convidado

Publicado: Maio 07, 2020

Tchéquia caminha a sua história entre monumentos, castelos, invejável natureza - verdadeiro caleidoscópio a formar o cenário que alimenta obras literárias desde há muito. Algumas são histórias reais, outras fantásticas, e há aquelas que são a mistura de ambas. Celeiro de grandes escritores, a República Tcheca e Praga atraíram também autores estrangeiros.

HHhH - Quem matou Roland Barthes, Laurent Binet – A ocupação de Praga  pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial sustenta a narrativa de HHhH, obra do francês Laurent Binet que lhe valeu (2010) o Prix Gouncourt (Prêmio Gouncourt). Prêmio literário mais cobiçado na França, é concedido pela Société Littéraire des Goncourt (Sociedade Literária dos Goncourt).

Soma de ficção e realidade, o título HHhH alude a Himmlers Hirn heißt Heydrich, implacável chefe da Gestapo. Considerado o cérebro de Hitler, Heydrich foi nomeado “protetor” da Boêmia-Morávia, território anexado ao III Reich logo após a invasão (15 de março de 1939) da então jovem nação tchecoslovaca (fundada em outubro de 1919).

Logo após, Hitler nomeou Heydrich - implacável e cruel chefe da Gestapo – para “protetor” da nova possessão.  Soma de ditador e vice-rei, HHhH submetia os tchecos a horrores e execuções sumárias, tanto que recebeu o apelido de “carrasco de Praga”.

Nesse cenário, Binet textualiza a trajetória de Jan Kubi e Jozef Gabcík – até então (1941), obscuros sargentos do exército tchecoslovaco, encarregados do atentado fatal que teve Heydrich como alvo. A primeira editora a trazer HHhH ao Brasil foi a Companhia das Letras (seguida por outras), em 2012. Disponível, inclusive, em e-book. Leia trecho.

Golem, Gustav Meyrink– Gerações de leitores foram cativados desde que, em 1919, aconteceu a publicação da enigmática obra de Gustav Meyrink (1868 – 1932), austríaco que aos 16 anos de idade mudou-se para Praga, aonde foi estudar. A história de Golem tem origem em conjunto de lendas da Cabala, que versam sobre a criação artificial da vida através do poder evocativo das letras.

Na narrativa de Meyrink, Golem é um ser artificial que ganha vida a cada 33 anos. Inerte ou animado, ele  vive numa sala sem acesso, em algum lugar do labiríntico gueto de Praga. É personagem de duplo significado – representa o lado sombrio do protagonista Athanasius Pernath, e outras vezes,  a consciência coletiva do bairro judeu.

O romance é amálgama do visível com o invisível, do sonho com a realidade. Nessa fascinante confusão caótica, o ocultismo e a Cabala se somam a fantasias messiânicas. O final surpreende a imaginação. Hemus Editora, selo da Martins Fontes, 1989.

A Brincadeira, Milan Kundera- Após a expulsão dos nazistas, durante 40 anos os comunistas detiveram o poder na então Tchecoslováquia. Os dias iniciais do advento do comunismo são tema do primeiro romance de Milan Kundera, intitulado A Brincadeira (1967). O cenário é a invasão de Praga pelos tanques da União Soviética e do Pacto de Varsóvia.

Contudo, nem política, nem história estão no centro da narrativa, mas os enigmas da existência humana. Publicado no Brasil pela Companhia das Letras em 1999, o livro é encontrado somente em sebos, e pode ser solicitado pela internet. Companhia das Letras, 2017. Praga está presente também na mais famosa obra de Milan Kundera - A Insustentável Leveza do Ser.

As Aventuras de O Bom Soldado Švejk, Jaroslav Hašek-  Praga e os cenários da Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918) serviram de inspiração para obra do celebrado autor tcheco Jaroslav Hašek (1883 – 1923). O perfil desse escritor, quadrinista, humorista, boêmio pode ser resumido na sua opção por confrontar – ele era anarquista.

Em As Aventuras do Bom Soldado Švejk,  Jaroslav Hašek traz abordagens cômicas para provocar reflexões sobre o absurdo da guerra e dos regimes antidemocráticos. Personagem ambíguo, o Soldado Švejk se situa entre o tolo e o dissimulado, envolvendo-se em impagáveis trapalhadas. Companhia das Letras, 2014, no catálogo do selo Alfagara.

O Processo, Amerika, O Castelo– No mínimo para estas três obras, Franz Kafka, o mais famoso escritor tcheco, inspirou-se nos meandros de Praga. O curioso é que tais obras jamais foram concluídas pelo autor.

A Cosac Naify, extraordinária editora infelizmente extinta em 2017, publicou (2013) no Brasil “Meu Kafka” – original em alemão de autoria de Stefanie Harjes. Fragmentos de romances de Kafka, incluídos os mencionados, contos e cartas de autoria dele estão compilados na coletânea, que constitui excelente fonte para conhecer as obras e entender o inquietante universo de um dos maiores escritores do século 20. Comercializado pela Amazon.

Canais relacionados

Café literário
Proti Proud: para os que vão contra a corrente

Em Praga 8, o bairro de Karlín propõe a maior parte das novidades que surgem na milenária capital tcheca. Lá, onde são múltiplas as ofertas de bares alternativos,cafés com toques contemporâneos e design diferenciado,atrai atenção o bistrô Proti Proudu. O nome é traduzido por contra a maré, e a liderança é do casal de jornalistas Karolina e David Konečný.

Dica de local Café literário
Cinco bibliotecas imperdíveis na República Tcheca

Na República Tcheca, bibliotecas em mosteiros, castelos e palácios guardam tesouros únicos que repousam em encantadores cenários.

Arquitectura Café literário Castillos y Palacios Cultura Cultura Experiencia de viagem Patrimonio
Em Praga, passeios pela vida de Franz Kafka

“Praga não vai deixar ir (embora). Nem você nem eu. Esta pequena mãe tem garras. Para fazer isso, é preciso se adaptar, ou teríamos que atear fogo em dois lados, em Vyšehrad e Hradčany, então, talvez pudéssemos escapar”. Franz Kafka.

Café literário